Dia 20 – Salta (ARG) / Resistencia (ARG)

Dia 2016/09/2014 – O plano original era dividir os 800 Km que separam Salta de Resistencia em dois dias, fazendo uma parada em Termas do Rio Hondo. Mas resolvemos encarar o trecho de uma vez só. Desses 800 Km, cerca de 600 eram uma reta sem fim cortando o chaco argentino, parecia que estávamos no Brasil de novo, a pavimentação da estrada era bem diferente da que havíamos encontrado nos últimos dias. Um trecho de cerca de 70 Km com buraco pra tudo que é lado e o restante com aqueles remendos mal feitos que deixam o asfalto bem irregular.

Deixando Salta

Como a própria palavra “chaco” diz, território atravessado por rios e córregos que formam lagos e pântanos, a região toda é meio que alagada e a quantidade de insetos voando na estrada é enorme a ponto de deixar nossas roupas e motos meio nojentas de tanto bicho morto grudado nelas. A viseira do capacete tinha que ser lavada a cada parada.

Chaco - Argentina

Na primeira parada pra abastecer nos demos conta de uma burrada que cometemos. Havíamos trocado dólares por pesos no hotel no câmbio oficial (1 dólar para 8 pesos), acontece que em alguns postos pela estrada eles preferiam receber em dólar a um câmbio de 12 pesos pra um dólar já que conseguiam vender até por 18 pra um. Também, não dava pra adivinhar que isso aconteceria. Paciência!

Ouvimos falar muito a respeito da corrupção dos policiais argentinos e como eles extorquiam o motoristas brasileiros em busca de um cafezinho, já tínhamos até separado um dinheirinho pra isso. Mas com a gente foi bem diferente, na única vez que fomos parados, o policial, depois de perguntar se éramos brasileiros, mandou a gente seguir sem nem ver documento algum.

Shadow

Mas deixo aqui uma dica que vi em outros blogs e que nos foi bastante útil para evitar maiores problemas com os homens da lei. Neste trecho, ao aproximar-se de alguma cidade, fique atento se há uma pista marginal, se houver, motos são tratadas como bicicletas e devem evitar a pista principal e trafegar pela marginal. Há placas com o aviso, mas nem sempre as vemos.

Em Resistencia ficamos no Amérian Hotel Casino Gala, já estava virando rotina essa história de ficarmos em hotéis, digamos, acima da média do que havíamos previsto, sempre aparecia uma desculpa para isso. Dessa vez foi o fato de que iríamos nos separar no dia seguinte.

Jantar de despedidaÉ, o Alt tinha que voltar pra Brasília enquanto eu e Beto seguiríamos pra Floripa. Aí você já viu, né! Hotelzão, jantarzão com direito a vinhos, entrada e sobremesa, foi uma despedida bem à nossa altura. E o melhor, baratinha. Tanto a estadia no hotel quanto o jantar foram muito em conta, nada comparado aos preços absurdos dos restaurantes aqui no Brasil.

A rota:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *