Dia 14 – Arica (CHL) / Antofagasta (CHL)

Dia 1410/09/2014 – Dia de trecho longo, seriam 730 Km de estrada, optamos pelo caminho mais longo, passando por Iquique e descendo até Antofagasta pelo litoral. Tínhamos certeza que rodar entre o Pacífico e a Cordilheira compensaria os poucos quilômetros extras.

O Pácífico sempre à nossa direita
O Pácífico sempre a nossa direita

As estradas do Chile eram tão boas quanto as do Peru. Até aqui, nossos vizinhos mostraram que sabem fazer e manter estradas muito melhor que a gente. Acho que, em parte, o bom estado delas deve-se à fiscalização intensa sobre o peso das cargas dos caminhões. Vimos várias balanças, todas funcionando. Muito diferente do Brasil onde a regra é balança quebrada e quando funciona, quase não é usada e quando é usada parece ter como única finalidade cobrar um “cafezinho” dos caminhoneiros.

E á esquerda a Cordilheira com essa paisagem lunar
E á esquerda, a Cordilheira com essa paisagem lunar

Tanto Arica quanto Iquique estão ao nível do mar, mas para irmos de uma para outra, subimos a mais de 1.000 metros. Pegamos uma neblina linda no caminho, nada que atrapalhasse muito a visibilidade, mas que junto com o sol, proporcionou visuais incríveis, principalmente quando ficamos acima dela. Demais!

Nas nuvens ...
Nas nuvens …

A chegada à Iquique também é um show a parte, visto que os mil e poucos metros de altitude, são descidos de uma vez só. Ou seja, a gente chega pelo alto e avista a cidade inteira lá embaixo, à beira do mar.

Parapentes na chegada à Iquique: 300 metros acima da cidade
Parapentes na chegada à Iquique: 300 metros acima da cidade

Notamos um fenômeno interessante em todo o percurso ao longo do Pacífico. O tempo estava quase sempre nublado, mas vez por outra, víamos uma clareira no céu alguns quilômetros à frente, quando chegávamos lá, era uma cidade. O tempo estava sempre aberto nas cidades dos caminho. Como somos grandes meteorologistas, concluímos que o calor das cidades gerava uma corrente de ar quente ascendente que dissipava as nuvens imediatamente acima. Muito bacana de se observar.

Ruta 1
Ruta 1

Na entrada de uma dessas cidades fomos parados em uma fiscalização, o policial verificou nossos documentos e nos liberou. Já ia esquecendo, houve também algum momento que tivemos que parar em um posto, como se fosse uma alfândega entre uma região e outra, e carimbar um dos papéis que nos deram na entrada do País.

Tínhamos planejado parar no mirante da La Portada, mas como o tempo estava bem nublado, desistimos. Provavelmente não iríamos conseguir ver nada.

Chegamos à Antofagasta bem no final do dia, fomos seguindo o GPS até o hotel que a galera tinha escolhido pra ficarmos, acontece que no caminho passamos pelo Hotel Radisson, na beira do mar, uma tentação. Paramos pra perguntar se tinha quartos para todos nós e quanto era a diária. Claro, não era dos mais baratos, mas acho que todos nós teríamos topado ficar logo ali. Por desencargo de consciência, fomos até o hotel planejado, que para felicidade geral do grupo, era um blefe!!! Aqueles típicos truques de internet com fotos lindas que não condizem com a realidade. Voltamos correndo pro Radisson com medo de que ocupassem “nossos” quartos.

Vista do quarto do hotel
Vista do quarto do hotel

A rota:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *