Dia 12 – Santa Lucia (PER) / Arequipa (PER)

Arequipa
Arequipa

08/09/2014 – A vontade de sair daquele lugar era tão grande que ao primeiro sinal de claridade levantamos, eram 5h30. Não fizemos nem a tradicional plaquinha de saída. Assim que descemos as escadas para irmos embora descobrimos a razão do cheiro de açougue, haviam duas lhamas mortas, já sem o couro, estendidas sobre uma mesa ao lado das motos. Que cena!

E assim se vende caldo de galinha por aqui, com uma mulher de biquini no banner
E assim se vende caldo de galinha por aqui, com uma mulher de biquini no banner

Estava bastante frio, beirando o 0 ºC, apesar de tudo, agradecemos por termos encontrado um local para dormir. Depois do perrengue da noite anterior, desistimos de Chivay e seguimos direto para Arequipa, precisávamos de um bom banho. Eram apenas 200 Km, mas os primeiros 100 foram terríveis! Estava muito frio mesmo, o termômetro marcava 1 ºC, mas a sensação térmica com as motos rodando era muito abaixo disso. Nossos trajes suportaram muito bem o frio, o problema foram a luvas (Rev’it Element 2 H2O), eu e Alt sofremos bastante, eu juro que cheguei a pensar que iria perder alguns dedos. O Beto estava bem, a luva dele era aquecida, ligada na bateria da moto (minha próxima aquisição).

O sol havia saído e aquecido um pouco o tempo, paramos pra tomar um café e daí pra frente foi tudo mais tranquilo, o pior havia passado. Mesmo depois de parados, com a caneca de café nas mãos, meu dedão ainda doía muito em consequência do frio, mas depois passou, foi só um susto mesmo.

No terraço do Hotel
No terraço do Hotel

Chegamos em Arequipa ainda pela manhã e, pra compensar a perrengue da noite anterior, pegamos um hotelzão (Casa Andina Classic), super bem localizado, ao lado da Praça das Armas. Tomamos o merecido banho e saímos em direção a Praça das Armas procurando um lugar pra almoçar. Acabamos sentando no Deja Vu, a comida era boa, mas nada demais, na verdade acho que a especialidade da casa eram as baladas à noite, o ambiente era bem bacana.

Praça das Armas
Praça das Armas

Depois de fazermos um tour a pé pela cidade voltamos ao hotel pra dar uma descansada, afinal ninguém havia dormido na noite anterior. Só saímos de novo para jantar, dessa vez num excelente restaurante, o Zingaro.

A rota:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *